A Transfiguração do Senhor


Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou, sozinhos, para um lugar retirado sobre uma alta montanha. Ali foi transfigurado diante deles. Suas vestes tornaram-se resplandescentes, extremamente brancas, de alvura tal como nenhum lavadeiro na terra as poderia alvejar. E lhes apareceram Elias com Moisés, conversando com Jesus. Então Pedro, tomando a palavra, diz a Jesus: ‘Rabi, é bom estarmos aqui. Façamos, pois, três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias’. Pois não sabia o que dizer, porque estavam atemorizados. E uma nuvem desceu, cobrindo-os com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: ‘Este é o meu filho amado; ouvi-o’. E de repente, olhando ao redor, não viram mais ninguém: Jesus estava sozinho com eles.” (Marcos 9,2-8)

Subir ao monte é ir de encontro à Jesus, é voltar o nosso coração para Deus. Jesus retira-se de toda a agitação e barulho que está a sua volta. A comunhão que Jesus tem com o Pai é tão grande que ultrapassa as barreiras, desperta em seus discípulos o desejo de ter essa mesma comunhão, a qual Pedro sentiu muita vontade em seu coração de construir uma tenda e ficarem por ali. Essa tenda representa a nossa intimidade com Jesus, é onde nos colocamos à disposição para escutá-Lo e retirar todo o barulho e agitação que está em nosso interior para encontrarmos o descanso que a nossa alma anseia. É o anseio do nosso coração estarmos envolvidos na intimidade com Deus.

Mas é preciso que a graça de Deus se levante sobre nós, para que os nossos olhos se abram e veem tudo o que está oculto, pois a nossa consciência é limitada. Precisamos ver o que está na eternidade, mas para que isso aconteça, é necessário seguir por um caminho que o próprio Cristo nos ensinou “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida, ninguém vai ao Pai senão por mim.” (Jo. 14,6). Meus queridos irmãos (as) em Cristo, todos nós em algum momento de nossas vidas vimos Jesus passar ou alguém nos mostrou Jesus. Convido você a fazer essa pequena reflexão. No Evangelho de São Mateus onde é narrada toda a história de Jesus e sua missão, São João Batista anuncia a vinda de Jesus e ao ver Jesus passar ele diz: “...Eis o cordeiro de Deus....”(Jo.1,29).

Seus discípulos vão até Jesus querendo saber onde o mestre morava e Jesus responde a eles “ vinde, vede e permaneça”. E o que podemos aprender com estas três palavras, seja qual for o tempo de caminhada a qual você se encontra. O Papa Leão afirma que “cada membro do corpo místico de Cristo pode almejar a participação na glória que, com antecipação, resplandeceu”. O que já havia previsto pelo Senhor quando falava da majestade de sua vinda:

“Então os justos brilharão como um sol no Reino de seu Pai” (Mateus 3,33).

Então, durante a nossa caminhada já demos este primeiro passo de irmos ao encontro de Cristo, vemos as maravilhas de Deus presentes em nossas vidas. E o que devemos fazer para alcançar a eternidade que nossa alma tanto almeja? É permanecendo no caminho. Quem permanece no caminho ama, quem ama conhece e, se conhecemos o caminho a qual fomos chamados a percorrer, conseguiremos caminhar até a eternidade.

A transfiguração do Senhor foi uma graça concedida aos três apóstolos escolhidos por Jesus. Sua recordação ficou como uma fonte de sólida confiança, que lhes permitiam suportar os maiores sofrimentos, pois presenciaram, tiveram uma vislumbrada luz plena e refulgente da eternidade.

Deus deseja conferir-nos eternamente sua própria felicidade, fazendo-nos participante de sua natureza no esplendor de sua glória. É fundamental para nós pensarmos na glória eterna, pois nos ajudará a enfrentar as dificuldades presentes em nosso dia-a-dia, pois muitas são as ofertas de uma felicidade passageira que encontramos hoje em dia, apresentando fórmulas mágicas fora do único caminho que é Jesus Cristo e de sua Igreja. Tudo não passa de pura ilusão, fomos criados para o céu!

Há muitos que nos mostram a cruz do Senhor, e isto é ótimo e digno de todo louvor, pois não há salvação sem passarmos pela cruz e como cristãos devemos passar pela cruz com amor como Jesus passou. O objetivo de nossa existência não é a dor, nem o sofrimento, não podemos esquecer do caminho da luz, a cruz não é o ponto final de nossa caminhada com Cristo, ela é o caminho que nos levará para a eternidade.

A paz de Cristo, a bênção de São José e o amor da Virgem Maria.


Posts Em Destaque